quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

DIA DO PROFESSOR - BELÍSSIMA CANÇÃO - ERGA O SOM!

Discurso Final - 3º ano

Discurso Final As bolas de papel na cabeça Os inúmeros diários para se corrigir As criticas, as noites mal dormidas Tudo isso não foi suficiente para me fazer desistir do meu maior sonho Tornar possível os sonhos do mundo Que bom que esta minha vocação Pode fazer teu mundo mais alegre Porque você hoje consegue olhar o mundo com outros olhos Teu mundo será alegre e serás feliz Pois na tua ciência da vida Aprendestes que compartilhar é sempre a melhor solução Você será grande e nobre, pois no seu oficio árduo lapida o trabalho de cada um dos seus professores passados, aqueles velhinhos esclerosados que ali estão Hoje és graduado e o pais agradece este fato conquistado por você O mérito é só seu, o caminho a seguir será só seu, a vida a construir será só sua, a perpetuação da espécie será atribuição sua, você é o novo gerente do BRASIL. Cuide bem dele gigante tropical e seja muito feliz Edivan Batista

Encerramento 3º ano

Encerramento 3º ano Se tiver vontade de rir, Ria Se tiver vontade de chorar não se preocupe Más não brigue com DEUS por ele não ter te ajudado Se a prova foi difícil e cortaram alguns fatos que te fez errar Acrescente a sua versão, não acredite em qualquer um Seu mestre é chato, não te elogia, ele está trabalhando para construir o teu futuro ( cobrando o que ainda não sabes) Se te criticarem demais, defenda-se Se quiserem te fazer de santo só porque fostes a vítima Do professor algoz, explique que de santo não tens nada Se ele te aprovou, se aprendestes, parabéns Se, ocorreu o contrario, tens tempo ainda de se recuperar Só não deixes chegar o futuro, porque este é um duro mestre E não perdoa nada... Sucesso queridos alunos Edivan Batista

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Como Estudar Matemática

Como Estudar Matemática? Veremos neste post algumas dicas muito úteis para todos os alunos que desejam estudar Matemática, sendo que este roteiro serve também para as outras áreas do conhecimento. Dicas Gerais: Faça você mesmo os exercícios, nunca peça a outra pessoa para fazê-los, apenas peça explicações. Leia os enunciados mais de uma vez para compreender o que é pedido. Nem sempre compreendemos tudo na primeira leitura. Se for possível, destaque os dados mais importantes. Quando surgir alguma dúvida durante a resolução de exercícios, volte ao enunciado. Ao resolver problemas, leia observando o que deve ser feito para solucioná-los, anotando os dados. Confira sempre as anotações. Procure relacionar as matérias com situações do dia-a-dia. Confira se está tudo de acordo como enunciado e se há questões sem fazer. Como estudar Matemática durante as aulas: Participe das aulas, perguntando quando tiver alguma dúvida sobre a matéria ou sobre as resoluções dos exercícios. Dê bastante atenção as explicações e correções, mesmo quando achar a matéria fácil. Participe falando sua forma de resolução, sempre que ela for diferente da apresentada por outros colegas. Corrija todo o dever com muita atenção, não deixe de marcar certo ou errado e faça sempre a correção necessária. Nunca copie do quadro exercícios prontos, sem tê-los entendido primeiro. Como estudar Matemática em casa: Faça os deveres com atenção e sempre que tiver dúvida, consulte a matéria. Estude refazendo os exercícios dados em aula. Se errar procure descobrir seu erro e repita o exercício até acertá-lo com segurança. Exercite e aprimore as operações fundamentais, sempre conferindo o resultado. Reveja diariamente toda a matéria dada, principalmente os exercícios que você teve maior dificuldade. Fonte: http://www.mundovestibular.com.br/

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Rio Doce Negro

Meu Rio Doce Negro Águas turvas que cobrem o teu leito De melanina pigmento aqui plantado Do açúcar mascavo que adoça tua xícara Tanto sangue e suor aqui foi derramado Meu Rio Doce Negro é negra tua gente E valorosa tua história Conquistastes teu espaço e tua gloria No adubo da cana com teu filho morto E no suor da história a mão servil Colheu em prantos o poder da burguesia Que não respeitava a tua tradição Foste ama de leite das sinhás tão belas E procriador como Pai João Meu Rio Doce Negro de Mãe preta e pai João Abram as portas dos terreiros Libertem as divindades suas E vamos de mãos dadas caminhar Para fazer de Olinda mais linda ainda Terra de mãe preta e pai João Do congado e do alto da Sé Iniciantes de nossa história e Construtores da Democracia Meu Rio Doce Negro De Mãe Preta e Pai João Edivan Batista - 07/11/2012

domingo, 29 de julho de 2012

Explicações para alunos incrédulos

Primeiras explicações Alguém poderia dizer pra que serve conjuntos, análise combinatória, bissetriz, equação do 1º e 2º graus, produtos notáveis, fórmulas (como a de Báskara), entre outros assuntos que parecem não fazer parte do mundo real? em que essas coisas são usadas? Estas coisas não são totalmente inúteis e nem interessam apenas a um bando de desocupados que não tem mais o que fazer... Conjuntos- são a base de quase toda a matemática. Apresentam vital importância em ramos da matemática como Análise, Álgebra, Cálculo. Estes últimos, embora muita gente não se de conta, tem aplicações na vida prática, no projeto de coisas hoje triviais como televisores, automóveis, DVDs, computadores, etc. Você sabe quantas fórmulas e cálculos e mesmo equações diferenciais tiveram que ser resolvidas para que você pudesse acionar um CD player? Conjuntos e assuntos correlatos como Teoria dos Grafos, são também utilizados na chamada arquitetura de computadores. Análise Combinatória- em muitos algoritmos que envolvem problemas discretos (isto é, baseados em números inteiros), em análises de alternativas de investimentos, quando há um número finito de possibilidades, no cálculo de probabilidade, também relacionado a análise de alternativas. Equações de modo geral- Acho que todo mundo já tentou resolver algo similar à seguinte questão: Tenho R$ 200,00 e aquele som que quero comprar custa R$ 300,00. Logo, preciso arranjar mais R$ 100,00. Você se deu conta de que, para isso, resolvemos a equação do primeiro grau 200 + x = 300? E equações mais complexas aparecem nos mais diversos campos do conhecimento humano. Sem ir muito longe, quando um gerente de banco calcula quanto você vai pagar por mês sobre um empréstimo que o banco vai dar a você em, por exemplo, 12 meses, a calculadora financeira dele resolveu uma equação. A fórmula de Báskara, aliás muito bem bolada e da Idade Media. Resolve equações do segundo grau. Bissetriz- Geometria, em geral , é usada em arquitetura, projeto de máquinas, veículos, etc.Fórmulas- em quase tudo se usa algum tipo de fórmula para calcular alguma coisa. Diâmetros de eixos de automóveis, potência de usinas hidrelétricas, valores financeiros a constar em cláusulas contratuais entre grandes empresas, imposto de renda a pagar ou a receber. Toda vez que alguém desenvolve numa planilha Excel um modelo para ser aplicado, seja no que for, está usando uma porção de fórmulas. Abra uma planilha Excel e clique naquele ícone das fórmulas. Ha mais de 200 fórmulas relativas aos mais variados assuntos (finanças, engenharia, estatística...) E se estão lá é porque os clientes da Microsoft acham necessário.

Onde encontra a Matemática

Onde podemos encontrar a matemática? Nos livros, filmes, desenhos, computadores e um pouco por toda a natureza. Poderemos ver um "segmento de recta" na aresta de um edifício, uma circunferência vê-se na ondulação da superfície da água quando deixamos cair um objecto, uma secção da elipse pode ser observada na parede de um poço redondo iluminado pelo sol, as sombras dos objetos representam figuras geométricas, na disposição das pétalas de uma flor podem encontrar-se simetrias, o batimento cardíaco pode ser um exemplo de uma sucessão, o ar move-se num percurso espiralado, etc. "O estudo aprofundado da natureza é a fonte mais fecunda das descobertas matemáticas" (Joseph Fourrier). Assim, até parece que "o universo impôs a matemática à humanidade" ([ 1] p76). "Aquela por vezes cristalina [ ...] e por vezes difusa substância [ ...] que é a matemática" (Imre Lakatos), trata de figuras, sólidos e suas propriedades na Geometria; sintetiza problemas do comércio, seguros e finanças através da Álgebra e da Análise; estuda e estrutura dados com a Estatística; desenvolve a Química e a Física com a Análise; estuda os percursos rodoviários e aéreos com a Teoria de grafos; apoia a estrutura das línguas com a Lógica. A esta matemática que é utilizada fora de si mesma chama-se matemática aplicada. E milhares de outras subcategorias da matemática podem aplicar-se a diversos outros saberes (Ap. C). Até a investigação criminal poderia bem ser considerada um ramo da matemática, como chegou a afirmar Conan Doyle. Mas muita matemática que se faz atualmente não é imediatamente aplicável, podendo vir a ser um forte contributo para as teorias de outros saberes ou a ficar para sempre esquecida.A matemática é cada vez menos fruto do trabalho isolado de uma pessoa. Mas antes resulta de um grupo de matemáticos ou das relações profissionais entre várias pessoas. Ou ainda, é um esforço que pode demorar séculos. Ao longo da história muitos homens contribuíram significativamente para o seu desenvolvimento (Ap. B). O trabalho de um foi analisado por outro matemático e assim sucessivamente até ao presente, sendo muitas vezes melhorado. Nem sempre o que um matemático faz está correto. Ele também se engana. Não é um ser superior nem vive em casulos. E quando um erro lhe é apontado, verifica, reconhece-o e agradece com delicadeza. Que ferramentas são necessárias para a investigação matemática? Muitos podem pensar que é suficiente um lápis e muita massa cinzenta. Mas a matemática não é feita apenas dentro da cabeça. Há muitos utensílios que auxiliam a sua produção: o compasso desenha circunferências; a régua traça segmentos de retas;o esquadro desenha ângulos; o transferidor mede a amplitude de um ângulo; o pantógrafo desenha figuras semelhantes; a calculadora efetua cálculos; . . . ; o computador representa objetos impossíveis.Uma ferramenta cada vez mais precioso é o computador. Com ele é agora possível fazer cálculos que um homem levaria anos a fazer. Com estes instrumentos, a matemática também pode construir realidades. Para saber mais: Hersh, Philip J. Davis e Reuben, A experiência matemática, Gradiva, Lisboa, 1995. Gerdes, Paulus, Etnomatemática - cultura, matemática, educação, Instituto Superior Pedagógico, Maputo, 1991. Struik, Dirk J., História Concisa das Matemáticas, Gradiva, Lisboa, 1991. Galeria de Matemáticos, Jornal da Mathematica Elementar, Lisb, 1991. Flato, Moshé, O poder da matemática, Terramar, Lisboa, 1994. Radice, Lucio Lombardo, A matemática de Pitágoras a Newton, Edições 70, Lisboa, 1985. Caraça, Bento de Jesus, Conceitos fundamentais da matemática, Livraria Sá da Costa Editora, Lisboa, 1989.